sábado, 3 de março de 2012

Interlúdio II

Entre tudo que me falaram sobre o único ano do Ensino Médio, a coisa que considerei mais verdadeira, por enquanto, foi: "Passa rápido". Estamos em março, ainda, mas já percebi que é verdade. Passa rapidíssimo. Tão rápido, inclusive, que os dias parecem escorregar entre os dedos.

Talvez seja porque eu tenho algo a temer e com que me preocupar no final do ano. Talvez seja porque é o último. Não importa. Ao contrário da maior parte de quem estuda comigo, não estou morrendo de vontade de deixar a escola. Vou sentir falta, e, já agora, estou sentindo medo. Pensar no futuro, para mim, é o equivalente a pensar em religião ou em morte: Um exercício desgastante, complexo, polêmico e fundamentalmente inútil, já que nunca será capaz de alcançar uma conclusão 100% confiável ou certeira. Não me agrada, e, por isso, procuro evitar.

Não sei o que será desse blog durante esse ano, na realidade - tinha esperança de poder escrever mais, mas a falta de tempo que terei a partir de semana que vem provavelmente fará disso muito difícil. Mas esse nunca foi um lugar frequentemente atualizado, honestamente, então não creio que faça muita diferença. É um cantinho semi-abandonado que eu mantenho vivo de tempos em tempos por necessidade quase física, porque não posso, não devo, não quero parar de escrever, mas acabo fazendo se não me vigiar. Vou tentar seguir a sabedoria do famigerado Alastor Moody e manter essa vigilância num terreno constante esse ano, tanto aqui como no feminerds, como não consegui fazer ano passado. Vamos ver - e essa, aliás, é a minha convicção para o resto das minhas questões esse ano, ou, pelo menos, a que estou tentando ter. É a mais lógica, a mais adequado, e a menos desesperante, no final das contas.

Vou tentar escrever esse ano. Vou tentar passar no Enem. Vou tentar me acalmar e ter menos medo. Vou pensar "vamos ver", e, com um pouquinho de sorte, verei de fato.